Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Na mesma praça


Os trens continuam correndo. Um vaivém sem fim.
As luzes das praças também estão lá. Prolongam a claridade como se quisessem que os dias não tivessem fim. Mas eles acabam, e elas voltam no dia seguinte. Assim como o carteiro, as crianças, os cachorros e o sinal.
Tudo continua igual ou tudo sai ou tudo volta, não importa. Continuo reconhecendo cada parte do que você chama de seu.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Super


Não culpava os que o achavam estranho porque sabia que poucos haviam desenvolvido a habilidade de ver sorrisos no futuro. E era seu superpoder: raio-X do tempo.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Sen Hora

Resta esperar a tarde imperfeita,






encontrar-se longe.
Em cada jardim, de fundo finito,
rechaçar qualquer perspectiva de dias sem você.
Dividir o frio que dá na carne,
entrelaçar os ossos,
se entender por afinação.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

O Micídio

Nunca pensei que tivesse que te desenterrar um dia.
Minha ideia para nós era vida.
Ou fui eu quem morreu.
Pega o casaco,
vai ser o inesperado.
Chuta a porta do mundo,
conhece os portos e vive às gotas.
Fui eu que morri?
Vai, lança sorte,
despreza as amarras,
descobre pra que lado sopra o vento da liberdade,
e me conta o que achou.
Me conta o que matou.

terça-feira, 7 de junho de 2011

Nenhum

Foi passagem prum lugar chamado nenhum.
Esvaziou-se o alvo.
Sonâmbulo.
Esperança sem molde.
Mudaram-se as preferências dos que desenhavam
para buscar algo que desfizesse o que fora escrito.
Não sabiam se o caminho era esse,
mas era o único que haviam encontrado.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Futuro do Preterido

Se houvesse garantia,
ah, se houvesse um meio,
um modo ou jeito,
se eu fosse a causa,
o riso, o conto, o causo,
se valesse o que fora feito,
se contasse o que fora dito,
como que num fio invisível,
me manteria perto,
livre a qualquer custo,
valendo qualquer preço.
Preso por querer.
Se tudo isso valesse alguma coisa
talvez quisesse recomeçar.
Contar centenas de horas com nova métrica,
assistir os segundos pra te ver chegar.

Miopia

Não se trata de ceticismo, só vi que amor é raro, e entendi muitos se enganarem.
Num dia ordinário, todo amor extra descansa em algum canto da casa.
Guardado sei lá porquê. Motivos voluntários têm seu destino viciado.
Uma hora o botão floresce. Pressa nunca foi vista com bons olhos.
Nunca pelos meus, que também já não vêem mais tanta necessidade assim em se entregar.
Amor míope.
Espera chegar perto.